quinta-feira, 8 de junho de 2017

EMPRESA DOS 'USA' VAI RESSUSCITAR OS MORTOS

Uma empresa dos Estados Unidos vai começar a fazer ensaios na América Latina para ressuscitar pessoas clinicamente mortas.




Pode parecer um enredo de um filme de ficção científica, mas é a realidade. A Bioquark, uma empresa com sede em Filadélfia nos EUA, está a fazer as primeiras tentativas de reverter a morte, e os ensaios começam este ano.   

A morte cerebral não é irreversível

No final de 2016, a Bioquark anunciou que quando uma pessoa está com morte cerebral, o estado não é irreversível. Ira Pastor, CEO da empresa, afirmou que vão começar a testar um método de células-tronco sem precedentes sobre pacientes na América Latina, e que a empresa confirmaria mais detalhes no final deste mês. Em muitos países, para se ser declarado oficialmente morto, a pessoa tem que experimentar o que é denominado perda completa e irreversível das funções cerebrais. Pastor acredita que a Bioquark conseguiu desenvolver uma série de injecções capazes de reiniciar o cérebro da pessoa morta, e querem experimentar esse método com seres humanos no final deste ano.

 Reanimando cérebros de pessoas mortas em diferentes estágios

A forma como a empresa pretende aplicar esse método é em diferentes estágios, sendo a primeira etapa a colheita das células-tronco do sangue do paciente, e depois injetando-as de volta no corpo do paciente.







Os péptidos serão injetados na medula espinhal do paciente e, em seguida, a pessoa passará por quinze dias de estimulação nervosa mediana, juntamente com estimulação nervosa e a pessoa será monitorada usando exames de ressonância magnética. Uma experiência do género devia ter acontecido o ano passado na Índia; No entanto, isso nunca foi adiante. Poucos dias depois de revelar o ambicioso plano, este foi bloqueado pelo Conselho indiano de Pesquisa Médica, que disse à empresa para procurar outros lugares. Um registo detalhado do estudo deu ao público em geral uma ideia melhor sobre como a empresa está a planear abordar os testes. A primeira fase do processo recebeu o nome de "Primeiro em Neuro-Regeneração Humana e Neuro-Reanimação" e foi dito ser um estudo não-aleatório de prova de conceito num único grupo.

A equipa examinará sinais de cérebros de indivíduos mortos para fazer a reversão. A equipa quer examinar todos os indivíduos que foram declarados mortos a nível cerebral e que tenham entre 15 e 65 anos, e que morreram por lesão cerebral traumática. Eles irão examiná-los usando exames de ressonância magnética e irão à procura de sinais de que a morte cerebral possa ser revertida. Confirmar a morte de uma pessoa costumava ser mais direto do que é hoje. Normalmente, quando uma pessoa parasse de respirar e o coração não batia, e a pessoa não respondia a estímulos, era considerada morta.







Hoje, o exame a um paciente é mais completo, pois há tecnologia para manter o oxigênio a mover-se através do corpo e a manter o tronco cerebral a funcionar usando um ventilador. Isso significa que, na maioria dos países, a morte é identificada pela perda permanente da função do tronco encefálico.  

The Reanima Project

The ReAnima Project
The ReAnima Project
The ReAnima Project

Os testes da Bioquark são apenas uma parte de um projeto muito mais amplo e que tem o nome de ReAnima, e no site, a empresa afirma que o projeto está a investigar o potencial da tecnologia biomédica para a neuro-regeneração humana juntamente com neuro-reanimação. Pastor disse que o objetivo da empresa e do projeto ReAnima era concentrar-se na pesquisa clínica sobre o estado de morte cerebral e coma irreversível, em pessoas que cumpriam os critérios da Lei de Determinação de Mortalidade Uniforme, mas que tinham sido mantidos com suporte cardiopulmonar, em muitos países isto é classificado como um cadáver vivo.





Fonte:  bioquark.com

Sem comentários:

Enviar um comentário