quinta-feira, 2 de março de 2017

Jesus não morreu na cruz, desmaiou e foi ressuscitado, dizem especialistas

Posted by Charles E. on quinta-feira, março 02, 2017

Jesus não morreu na cruz

JESUS não morreu na cruz, simplesmente desmaiou dando a aparência de morte, e foi ressuscitado mais tarde, afirmam estudiosos bíblicos.






Uma teoria conhecida como hipótese Swoon, sugere que Cristo não morreu na cruz, mas apenas desmaiou.

A Hipótese Swoon começou a ganhar força nos anos 1700, quando historiadores começaram a questionar a religião e procuraram respostas lógicas.

O erudito bíblico Karl Friedrich Bahrdt, estabeleceu pela primeira vez a teoria em 1790, quando afirmou que Jesus falsificou a sua morte.

No entanto, com o avanço da medicina e com o passar dos séculos, alguns especialistas começaram a teorizar que ele desmaiou na cruz devido à fadiga e mais tarde
foi rescuscitado.
 

Num blog intitulado, Review of Religions, o Dr. Muhammad Masudul Hasan Nuri, do Instituto Tahir do Coração, explica como é possível que Jesus tenha sobreviveu à crucificação.

O Dr. Nuri
aponta primeiro para a duração média da permanência no cruz antes da morte - que foi de três dias.
No entanto, apenas é reportado as ultimas seis horas.
Diz o Dr. Nuri: "No Gólgota, o local da crucificação, naquela sexta-feira depois de meio-dia Jesus Cristo clamou em voz alta, inclinou a cabeça e desmaiou. 
"Os soldados partiram a perna aos dois ladrões, mas não a Jesus Cristo, quando confundiram o seu estado um estado.

"Em vez disso, um dos soldados perfurou o seu peito com uma lança, muito provavelmente na cavidade pericárdica, produzindo um súbito fluxo de sangue e liquidos."
 A Bíblia diz que o corpo de Jesus foi entregue a José de Arimatéia - um dos discípulos de Cristo - que estava com seu companheiro Nicodemos, um físico respeitado, e que sabia que Jesus estava vivo. 
De acordo com o Dr. Nuri, Nicodemos não teria feito nenhuma tentativa para curar a ferida, apesar de saber que Jesus tinha sobrevivido, porque "o fluxo de sangue e os liquidos eram úteis para a respiração e benéfico para a renovação da vida".

Segundo o Dr. Nuri: "Esta é uma prática conhecida em pacientes com tamponamento cardíaco (sangramento dentro da cavidade pericárdica), onde após a aspiração com uma agulha de grande diâmetro o sangue é drenado para evitar que coagule".
 
Concluiu: "Claramente, o peso da evidência histórica e médica indica que Jesus Cristo não morreu na Cruz, mas foi entregue vivo e depois tratado".

0 comentários:

Enviar um comentário

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin

Search Site