quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

RÚSSIA ESTÁ PREOCUPADA POR OS EUA SE RECUSAREM A SAIR DA SÍRIA

A Rússia expressou sua preocupação com a rejeição dos EUA para retirar suas tropas da Síria



A Rússia expressou sua preocupação com a rejeição dos EUA para retirar suas tropas da Síria, uma decisão que é considerada contra as "leis internacionais".


"Acreditamos que isso reflete negligência perante o direito internacional, que é típico de Washington", disse o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Riabkov, a jornalistas na quarta-feira.


O diplomata russo destacou que os Estados Unidos não têm permissão do governo legítimo de Damasco para desenvolver atividades no território sírio, e muito menos implantar tropas.



Tropas americanas a bordo de tanques em solo sírio, 3 de junho de 2017 



Na opinião do diplomata russo, os americanos não têm nenhuma razão legal ou jurídica para implantar militares na Síria, nem têm luz verde da comunidade internacional, nem mesmo sob a desculpa de lutar contra terroristas.


Assim, Riabkov reagiu às declarações feitas na quarta-feira pela porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, que afirmou que o trabalho dos Estados Unidos ainda não acabou na Síria, anunciando a extensão da presença militar no país árabe.



Um importante assessor do Líder da Revolução Islâmica no Irã alerta para as tentativas dos EUA para mergulhar o Iraque e a Síria no caos



Moscou tem presença na Síria, mas a diferença é que a Federação Russa atua no país árabe a pedido do presidente sírio, Bashar al-Assad, para ajudar na luta contra o terrorismo.


De qualquer forma, o presidente russo Vladimir Putin anunciou a partir da base aérea de Hmeimim no oeste da Síria, a retirada da maior parte do contingente russo implantado na Síria.


O governo sírio denunciou repetidamente a presença dos americanos na Síria e a campanha militar que lidera debaixo de uma coalizão supostamente para atacar posições do grupo terrorista ISIL (Daesh, em árabe), já que seus bombardeios deixaram muitas vítimas civis.

Sem comentários:

Enviar um comentário