sábado, 3 de março de 2018

A ASSESSORA MAIS PODEROSA DOS EUA TENTA EVITAR A III GUERRA MUNDIAL (com fotos)

Lisa Curtis, conhecida como a mulher espia mais poderosa da América foi enviada ao Paquistão em um esforço para evitar a III Guerra Mundial





Um novo relatório do Serviço de Inteligência Estrangeira (SVR) que circula no Kremlin afirma que o presidente Donald Trump enviou sua assessora, Lisa Curtis, conhecida como a mulher espia mais poderosa da América ao Paquistão em um esforço para evitar a III Guerra Mundial na sequência de um ataque devastador na fronteira da Índia/Paquistão, que os líderes paquistaneses "juraram se vingar" - e cuja temida Divisão de Planos Estratégicos (SPD) está correndo para "começar a guerra", e se estima em mais de 100 mísseis nucleares prontos a disparar. [Nota: algumas palavras e / ou frases que aparecem em citações neste relatório são aproximações em português de palavras / frases russas sem contrapartida exata.]



Lisa Curtis, Assistente Adjunta  do Presidente dos EUA - também conhecida como a mulher-espia mais poderosa dos americanos


De acordo com este relatório, o Paquistão alega que o desejo da Índia de ser uma potência regional lançou uma sombra escura sobre a região, e nos últimos dois meses violou os acordos de cessar-fogo existentes mais de 400 vezes na região de Cashmira, controlada pela Índia - e cuja escalada de tensão atingiu o auge no domingo passado, quando a Índia disse que o Paquistão tinha sido "punido", declarando que os atos de "retaliação" acontecerão e afirma: "A Índia matou muitos dos nossos soldados, vamos nos vingar depois de enterrarmos nossos mortos... é aconselhável tomar precauções de segurança".


A maioria tem medo dos "atos de retaliação" que o Paquistão tem reservado para a Índia, adverte este relatório, e são suas armas nucleares - que, pelo ar, conseguem transportar com seus aviões de combate F-16A e os Mirage franceses - por seus sistemas de transporte terrestre que incluem a série Hatf de mísseis móveis - e por sua classe de misseis de cruzeiro Babur baseados no mar que não podem ser detetados pelo governo dos EUA.





Com o Paquistão e a Índia a irem em direção à III Guerra Mundial, este relatório diz que o presidente Trump enviou a sua principal espia feminina para a região que atualmente detém o título de Assistente Adjunto dos EUA para o Presidente e Diretor Sênior do Conselho de Segurança Nacional para a Ásia Central e do Sul - que o SVR conhece como Lisa Curtis - e quem, durante toda a administração Clinton na década de 1990, foi a principal especialista da CIA no Paquistão e na Índia, e que desde 1994-1998 serviu como político oficial para as embaixadas dos EUA em Islamabad no Paquistão, e em Nova Deli, Índia.


As advertências de Lisa Curtis ao longo do final da década de 1990 ao regime de Clinton sobre a terrível ameaça que representava para os Estados Unidos, Osama bin-Laden - a quem ela advertiu que estava ser protegido pela Inteligência Inter-Serviços do Paquistão (ISI) - e isso provou ser verdade - este relatório observa que ela foi rotulada como "instável" e empurrada para fora de seu trabalho - mas cuja vida e ações foram retratadas de forma fictícia na série de televisão norte-americana "Homeland", cujo personagem principal, Carrie Mathison, também é "mentalmente" instável e cujos avisos são ignorados – mas têm um efeito devastador.



A atriz Claire Danes, retrata a vida fictícia da espia americana Lisa Curtis no seriado de televisão Homeland


Lisa Curtis, a mulher-espia americana, que agora é a principal ajuda do presidente Trump para tudo o que tem a ver com o Paquistão, este relatório diz que é fundamental observar sua posição de que "o apaziguamento não funcionará" com os líderes paquistaneses e que é altamente duvidoso que a administração Trump considere se meter na disputa volátil entre a Índia e o Paquistão, a fim de evitar o que ela diz é "a armadilha de mediação" - e ela, também, declarou que Trump não tinha nenhuma ilusão de que os EUA pudessem resolver um conflito com 70 anos – em apenas um ano.





Este relatório conclui que o objetivo final de Lisa Curtis quer alcançar, nada mais é do que a completa destruição da capacidade do Paquistão de apoiar as forças terroristas no Afeganistão - com a afirmação de que isso é assim, declarando que os Estados Unidos "não querem sacrificar mais seus princípios antiterroristas na região por uma questão política, e seguir una política 'imparcial' no sul da Ásia e que traria custos ao Paquistão que ajude a acabar com o terrorismo na região" – mas esses "custos" não conseguem parar o Paquistão, então, uma guerra total pode acontecer - e relatórios separados foram enviados a semana passada ao Congresso dos EUA, ao novo Subsecretário de Defesa dos EUA, David Trachtenberg e também ao novo Secretário Adjunto dos Assuntos Legislativos Mary Kirtley Waters que afirmou que a autorização do uso da Força Militar de 2001 contra a Al Qaeda e a autorização do uso da Força Militar 2002 a guerra no Iraque, continua a dar autoridade executiva a Trump para lutar contra o Estado Islâmico (ISIS / ISIL / IS / Daesh) - e que, após sua derrota na Síria e no Iraque, agora se encontram no Paquistão.



Fonte: http://www.whatdoesitmean.com/index2498.htm

Sem comentários:

Enviar um comentário