quarta-feira, 7 de março de 2018

ARMAS HIPERSÔNICAS DA CHINA AMEAÇAM TODA A FROTA DE SUPERFÍCIE DOS EUA (com vídeo)

Ex-administrador da NASA, alerta para o perigo que o desenvolvimento das armas hipersônicas chinesas representam para a frota norte-americana







Durante uma conferência anual dedicada à defesa, celebrada nesta terça-feira (7) em Washington, Michael Griffin, subsecretário de defesa para pesquisa e engenharia e ex-administrador da NASA, alertou para o perigo que o desenvolvimento das armas hipersônicas chinesas representa para a frota norte-americana.


"Em números redondos, a China efetuou 20 vezes mais testes de armas hipersônicas que os EUA ao longo da última década", afirmou ele, citado pela edição Washington Examiner



O desenvolvimento ativo deste novo tipo de armas coloca em perigo os porta-aviões norte-americanos posicionados na região da Ásia e do Pacífico, já que os EUA não dispõem de sistemas de defesa eficazes para responder a seus possíveis ataques.


'Toda a frota de superfície dos EUA está ameaçada'


"Quando os chineses puderem posicionar sistemas hipersônicos táticos ou regionais, eles estarão ameaçando nossos grupos de combate de porta-aviões", declarou Griffin, acrescentando que de fato, "toda a frota de superfície" dos EUA está ameaçada, bem como as forças terrestres instaladas em posições avançadas."


O desenvolvimento de sistemas de defesa contra as armas hipersônicas virou uma prioridade para o Pentágono, segundo confirmou o alto funcionário, que considera inaceitável uma situação em que a única resposta possível de seu país é "permitir que eles sigam o seu caminho ou recorrer ao nuclear".



Na semana passada, o presidente russo, Vladimir Putin, fez seu tradicional discurso anual perante a Assembleia Federal da Rússia. Durante o discurso foram mostrados vários vídeos com os mais recentes desenvolvimentos do equipamento militar russo que nunca foram publicados antes, inclusive armas hipersônicas de nova geração.




Fonte; https://www.youtube.com/watch?v=Ckl5fDmhnV8

Sem comentários:

Enviar um comentário